02 de outubro de 2016 começamos um novo ciclo, e entramos no ano 5777 do calendário judaico.

Os próprios números deste novo ano apontam para um ano sem precedentes.

O número 5 representa Graça, e o número 7 (o mais sagrado dos números) representa Conclusão, Plenitude, Perfeição e o espectro total de quem é Deus.

As escrituras nos dizem que há “7 espíritos de Deus” (Ap 4: 5 e 5: 6) e que há “7 olhos de Deus” (Ap 5: 6) e “7 chifres” de Deus (também Ap 5: 6) todos estes nos falam dessa conexão espiritual entre Deus e o número 7.

A Bíblia também nos fala sobre o arco-íris (com suas 7 cores) envolvendo a sala do trono de Deus (Ap 4: 3).

A sequência de anos que estamos vivendo esse ano (777) é algo que só acontece a cada 1000 anos e, claro, nunca antes precedido pelo significativo número 5.

Muitos sentem-se reativos quando o assunto são números, mas os números podem ter grandes significados espirituais.

O judaísmo tem maior consciência da importância e intencionalidade dos números e seus significados, talvez por isso sejam capazes de perceber algumas mensagens que Deus quer nos dar, que muitas vezes não captamos.

Os caminhos de Deus não são unicamente aleatórios, nem simplesmente pragmáticos, mas há revelações e mapas do tesouro escondidos e que acompanham praticamente tudo o que Ele é, o que ele faz, quando o assunto são os números.

Aqueles que entendem isso podem receber recompensas, e aqueles que zombam e não reconhecem isso, podem perder coisas bastante valiosas.

A medida que avançamos em descobrir algumas coisas que Deus está fazendo nesse ano de 5.777, que seu espírito esteja aberto para perceber e receber.

Como nos dias de Noé: um tempo de descanso … e inundações.

Noé (ou Noah) cujo nome significa “descanso” nasceu de Lameque, e como nos é dito em Gen 5:31, viveu até 777.

Quando Noé nasceu, foi dito a respeito dele “Ele irá consolar-nos do nosso trabalho e fadiga dolorosa”.

Noé construiu a arca enquanto pregava, ao longo de um período de mais de cem anos. Em seguida, foi-lhe dito para ir para a arca, porque as chuvas e inundações anunciadas estavam chegando.

A arca tem muito significado para nós também. Nos é dito em Gen.6: 15 que era de 300 côvados de comprimento, 50 côvados de largura, por 30 côvados de altura.

Novamente os números significavam algo, e ainda hoje o fazem:

  • O número 300 nos conecta com Gideão, e fala dos corajosos que marcham ao som da batida de um tambor diferente.
  • 50 é o número de Jubileu, e também é o número do Espirito Santo – Pentecostes veio 50 dias depois da cruz.
  • 30 fala de maturidade, mas especificamente nos conecta com Jesus – a idade em que iniciou seu ministério marcado pela forma como Ele revelou o amor do Pai.

Em essência “ficar na arca” representa sermos corajosos, cheios do Espírito Santo e caminhar no amor de Jesus!

Como sabemos, as inundações não só julgaram os ímpios, mas em Gênesis 7:18 fala que as águas levantaram a arca, e que a arca “flutuava na superfície das águas.”

As chuvas que se seguiram e as inundações levaram a arca, em última análise, a subir para o topo, acima das montanhas Gen. 8:4,

Em seguida, a arca finalmente repousou sobre o Monte Ararat – que significa “a maldição revertida”.

Essa é, em essência, nossa missão, e agora estamos acelerando em direção à ela!

O Espírito Santo progressivamente derrama do Seu Espírito e Seu derramamento acaba por mudar tudo – desaloja aqueles que não pertencem às esferas de influência.

A mesma manifestação, de outra forma, levanta os filhos do Rei, que Ele escolheu para serem os corajosos, Santos, e cheios do Espírito, portadores do amor de Jesus – reformadores das nações.

Eles irão aumentar à medida que as águas levantarem a arca.

Nós temos a nossa parte e Ele tem a dEle. Nós construímos, e entramos.

Ele derrama, e então Ele derrama um pouco mais, e então Ele derrama um pouco mais e somos levantado com o Seu coração, para as nações.

Tornamo-nos como o rio de Deus subindo, de Ezequiel 47, que em seu ápice, vai crescendo até ser as árvores cujas folhas serão a cura para as nações.

Reforma e Descanso

Hebreus 4: 9 fala de um descanso que Deus ainda deixou para seu povo cumprir.

Ele diz que, se Josué lhes tivesse dado descanso, Deus não teria falado posteriormente a respeito de outro dia. Isto está adiante de nós, e não antes.

A tomada da Terra Prometida foi considerado entrar em “Seu descanso” e ainda não foi uma temporada para apenas sentar-se sem fazer nada.

Na verdade, “descansar” tinha a ver com deixar para trás o período de 40 anos de deserto e, finalmente avançar e conquistar a terra de 7 nações inimigas que não haviam conquistado previamente, por medo.

Então “descanso” é uma palavra que necessita de alguma explicação para entendermos seu significado para os dias de hoje.

Eu acredito que a chave para essa revelação é entender o que o “descanso”  tem a ver com a “crer” e “acreditar” ao invés de apenas estar disposto a guerrear ou esforçar-se e lutar.

Em Hebreus 3 e 4 nos fala que por diferentes maneiras eles não entraram no “descanso” que Deus tinha para eles, por causa da maldade de um coração, cheios do pecado de “incredulidade”.

A incredulidade leva a fazer esforços na direção errada. Hebreus 4:11 então diz: “Vamos, portanto, fazer todos os esforços para entrar naquele descanso, para que ninguém falhe, seguindo o seu exemplo de desobediência.”

O “descanso” que Deus tem para nós é a herança das nações (Sl. 2: 8). O “descanso que Ele tem para nós é ver a reforma da sociedade. Esta é a nossa Terra Prometida e é “Seu descanso” que Ele providenciou para nós.

Significa simplesmente que Ele já fez todo o trabalho preliminar de garantir a vitória total da missão, e nossa parte é a coragem de ir até onde Ele manda, para cumprirmos nosso chamado.

No “Descanso” os filhos de Israel tomaram Jericó – eles não tiveram que desenvolver armas explosivas para explodir as grossas paredes de Jericó.

Eles não precisaram esperar por helicópteros. A vitória já estava assegurada, eles só precisavam mostrar-se com a intenção de obedecer ao mandamento de herdar as nações.

Sim “Descanso” é também aprender a fazer o ministério com equilíbrio – não acabando com nosso corpo, alma e espírito – mas antes disso, o descanso de 5777 é que temos assegurado vitória após vitória, após finalmente conectar-se à narrativa correta do que Ele tem para nós.

Essa não é hora de especular sobre assuntos como o arrebatamento, o anticristo, o falso profeta, a besta, o retorno de Jesus, o milênio etc.

A narrativa que devemos abraçar é – o nome de Deus sendo engrandecido, nas partes mais altas, das montanhas mais visíveis da nossa sociedade (na mídia, família, artes, negócios / economia, religião, educação e governo).

A igreja já passou por agendas de evangelização mundiais, agendas de avivamento, mas nunca conseguimos conectar à Sua agenda de reforma para o planeta.

Um grande novo avivamento está sobre nós, e desta vez vai ser tudo sobre o brilho de Deus em oposição ao brilho do homem de avivamentos anteriores.

Descansar implica finalmente crer nas promessas de Deus e estar disposto a tomar as decisões nesse sentido.

É mais sobre o RECONHECER do que sobre nossas ESTRATÉGIAS – é sobre fé, confiança e acreditar mais do que simplesmente achar que podemos fazer algo por nós mesmos.

Descansar é sobre como reconhecer e receber a herança.

RECURSOS: 777 e DEUS NO TRABALHO

Existe uma ligação inequívoca com a repetição do número 7, e impacto econômico.

Começando com José no Antigo Testamento, vemos um homem envolvido com sonhos com o número 7- e, em seguida, dois períodos de sete anos.

Mais recentemente, podemos lembrar que o crash na bolsa americana de 2008 foi em Rosh Hashaná e viu o Dow Jones cair 777,7 pontos em um único dia!

Em seu livro “The Seven Montain Mantle” Johnny Enlow argumenta que a 777,7 representa a mão de Deus que nos salva, e aos mercados, de um acidente total que estava destinado, por forças de manipulação das trevas.

Curiosamente, o voto Brexit que surpreendente viu o Reino Unido sair da zona do Euro a exatamente 7 anos, 7 meses, 7 semanas e 7 dias a partir dessa queda de 777,7 pontos pode ser mera coincidência? Provável que não.

Johnny acredita que representa a mão de Deus sobre manipuladores econômicos e surpreende o mundo com uma medida que, em última análise, pode ser visto como um “hedge” contra colapsos das moedas e falhas do mercado!

Assim então, o 777 que inicia este 2 de outubro é muito significativo e mais uma vez representa a mão de Deus para intervir nos assuntos econômicos do homem.

Salmo 2 nos diz que há muitas conspirações, mas que Aquele que está sentado nos céus zomba dessas conspirações e, em seguida, convida-nos a pedir-Lhe nossas nações como herança (v. 8)!

Salmos 2 deixa claro quem carrega a autoridade soberana nos assuntos do homem.

É neste período que vamos ver o tão falado e profetizado sobre a “transferência de riqueza.”

O 777 deste ano irá revelar um Deus muito maior do que qualquer ser humano que possa manipular a economia do planeta.

Ele será maior do que o FMI, que o Bilderburgers, que os banqueiros mundiais, do que os comerciantes das moedas, que os manipuladores fundos de hedge ou do que qualquer outro que você pode pensar.

Se você se esqueceu de que Ele era maior do que aqueles que pensam que estão no poder, você vai ler as tendências e mercados de forma errada, e chegar à conclusões erradas, geralmente envolvendo a idéia de colapso econômico global.

Deus será grande na economia mundial e isso surpreenderá muitos manipuladores e observadores destes manipuladores. Surpreenderá, surpreenderá a todos – será Deus sendo Deus.

Eleições

No Brazil, temos acompanhado com espanto o cumprimento de cada uma das palavras proféticas liberadas nos últimos anos.

O cumprimento das profecias do Shemitah, a criação dos vácuos, através do declínio de expoentes do capitalismo e da politica nacional, abrindo espaço para levantar aqueles que são Seus nesta nova estação.

Em âmbito global, as próximas eleições americanas devem redefinir a América e, por extensão redefinir o mundo para o futuro.

Conclusão

Um ano notável começa neste Rosh Hashanah (ano novo do calendário judaico) e acreditamos que as mudanças e transformações acontecerão neste ano, em essência redefinirão o mundo para as próximas gerações.

A igreja que está geralmente esperando e falando sobre julgamento do mundo e seus pecados, vai ver que na verdade é a própria igreja que estará sob o maior julgamento.

Neste ano de 5.777 um julgamento está sendo feito no céu, em nome do crescimento de “Davids” e contra o estabelecimento de “Sauls”.

Davis são marcadas por transparência e unção – refinados por anos de pressão e rejeição, amizade com Deus, e uma conexão com o coração de Deus para a reforma da sociedade.

Sauls são marcadas pelo status quo, um espírito político, preocupação com a imagem, inveja e uma unção desbotada e muitas vezes ligadas à construção de seu próprio reino.

Este ano Davis serão visivelmente promovidos e Sauls serão visivelmente rebaixados.

Estamos na fase inicial da era do Reino, e uma alta prioridade dos céus será com aqueles que estão conduzindo a igreja, e como eles estão fazendo isso.

Reforma é a atual prioridade e aqueles que se alinharem receberão a ajuda dos céus como nunca antes.

Apesar de muitos acreditarem que a agenda LGBT ou algo semelhante é nossa prioridade espiritual – a liderança das igrejas é de longe a maior prioridade.

O julgamento começa na casa do Senhor. Nós, como igreja muitas vezes somos menos representativos com o que Deus nos criou para ser, do que a comunidade LGBT é em relação ao que Deus fez com que eles sejam.

Isso pode soar como uma afirmação chocante e é – mas também é a verdade.

Tudo isso começará a  mudar.  Estamos avançando para o lugar onde seremos reconhecidos pelo amor, pelo poder de cura, pelas nossas soluções sociais, pela bondade, pela inovação, pela riqueza, pela paciência – coisas pelas quais não somos atualmente conhecidos.

A boa notícia é que todos vamos mudar – ou seremos mudados.

Este ano judaico torna-se um ano de recomeço para a igreja.

A Igreja começará a ser mais Reino do que nunca, a medida que o Espírito Santo derramar de Si mesmo sobre nós.

Adaptação do texto de Johnny Enlow (reformador social, autor e palestrante internacional) de 03/10/2016.